Total de visualizações de página

sexta-feira, 1 de março de 2013

Esse Tal Amor

Ela me olhou de um jeito,
Como se quisesse me censurar.
Ela me cobrou um sentimento,
Como se eu fosse capaz de amar.
Ela saiu porta afora, dizendo
que jamais ela iria voltar.
Ela me amaldiçoou dizendo,
que um dia eu iria chorar.



Eu já lutei por esse tal amor...
e o tal amor de nada me valeu.
O Universo torto desse tal sentimento!
Um amor que nunca me aconteceu.





O amor é uma faca
que te corta e dilacera...
Ele faz o teu espírito
entrar na mais imensa guerra,
guerra, guerra...
Guerra, guerra...




Ela me ligou dizendo
que tão logo ela iria voltar.
Uma voz meloza tão arrependida
Eu disse que eu iria pensar

O tempo dado foi o tempo necessário
Descobri que eu fiquei melhor sozinho
Tantas outras pretendentes
De repente já cruzaram meu caminho

Eu já lutei por esse tal amor
E o tal amor de nada me valeu
O Universo torto desse tal sentimento
Um amor que nunca me aconteceu

O amor é uma faca
que te corta e dilacera
Ele faz o teu espírito
entrar na mais imensa guerra
Guerra, guerra, guerra...
 
guerra guerra...

Na Era do Real

Todo mundo fica louco quando vê televisão...
Tem novela, bang - bang, e mulher nua de montão...
Todo mundo fala tanto em moral...
Mas quando chega a hora, todo mundo faz igual.

Fantasia... Na Era do Real...
Hipocrisia... Na Ordem do Primata racional...



Todo mundo fica louco quando fala em dinheiro...
O salário mata tanta gente e da trabalho pro coveiro...
Todo mundo quer ter uma vida normal...
Por saber que o louco trata o louco como caso especial.

Fantasia... Na Era do Real
Hipocrisia... Na Ordem do Primata racional.
.


Todo mundo fica louco, quando toma umas biritas...
Tem cerveja, aguardente, uisque, pinga, cuba e margarita...
E enquanto não se encontra um rumo para a vida...
Todo mundo chama o "UGO" no banheiro
      quando passa da medida

Fantasia... Na Era do Real...
Hipocrisia... Na Ordem do Primata racional...


Fantasia... Na Era do Real...  
Hipocrisia... Na Ordem do Primata racional...

Fantasia.

A Parábola da Mão


Uma criou, a outra não tinha essa intenção...
Ela se encantou com a destruição.

Uma acariciou, a outra espancou e bateu;
Uma te encontrou, a outra te perdeu






Uma é sábia, a outra vive longe da razão,
Ela só sabe de si mesma e da escuridão

Uma tirou, a outra simplesmente te devolveu
Uma era justa, a outra se vendeu.









Certo dia, um homem,
revelou essa verdade...
Dois caminhos pra escolher,






Um deles é pura maldade.
Você não sabe o que
vai fazer da vida...

Mas na verdade
só existe uma saída:


Um caminho pra escolher, Uma História pra viver.
Ei,ei, ei... E... E...

Uma implora, a outra
não te diz quase nada.
Uma chegou tão cedo,
a outra atrazada.

Uma avançou, a outra
simplesmente retrocedeu.
Uma te libertou,
a outra te prendeu.



Uma é cruel, a outra
é bondosa e mágica...
Vivemos e morremos
de uma forma tão trágica.

Uma é alegre e cheia
de poesia.
A outra vive a sustentar
a sua idéia vazia.





Certo dia, um homem
revelou essa verdade...
Dois caminhos pra escolher,

um deles é pura maldade.
Você não sabe o que vai
fazer da vida.

Mas na verdade  só existe uma saída.
Um caminho pra escolher...
Uma História pra viver.
Ei, ei, ei... E... E...

Uma delas busca um novo aprendizado...
E anda pela terra, com todo cuidado.
A outra sabe de cor que o perigo é real.
Ela só quer ser amparada no juízo final.

Uma delas anda com todo cuidado...
E busca pela terra por um novo aprendizado.
A outra sabe de cor que o perigo é real.
Ela só quer ser amparada no juízo final.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Almas Perdidas



 Ela entregou-se calma, formosa, cristalina,
Sensível e destemida, ao amor gentil.
Forma-se então a aliança preciosa e rara.
Mas o valor do amor real, ela jamais sentiu.

Mentiras e verdades foram proclamadas...
Qual é a fórmula calculada para a tua existência?
Acaso alguma fórmula já foi elaborada?

Movidos pela gana de querer e possuir...
Qual de vós possui a estratégia mais ousada?

Ela entregou-se pura, prestativa, dadivosa,
Virtuosa e decidida, por um preço vil...
Rasga-se então o véu da inocência original.
E o infinito inteiro se abriu.

O que eu sou? 
Seria eu, aquele que eu queria ser?
Você diz isso e aquilo de mim...
E nem percebe que aos poucos,
A tua garganta se emudece.

O que eu sou?
Meu cabelo é grande, minha voz é grave!
E a minha pele é uma mistura...
Misturado sou pela união das raças. 
Se não fosse isso, eu não teria o ar.

Tudo se movimenta pela nossa respiração.
Tudo se modifica pela nossa inspiração.
E o que alimenta a nossa mentalidade, é o pensamento.

Quanta injustiça por você foi proclamada?
Quanta injustiça por você foi praticada?

Qual o fenômeno dessas tuas estranhas guerras?
Acaso alguém se tardará um dia em campo de batalha?

Donos são os homens de suas mentiras...
Mas somente as verdades são inesperadas.

Então que se libertem as almas escravas...
Pois não é meu o Juízo de vê-las trancadas
Soterradas na escuridão de suas vidas,
Imersas todas entre tudo e nada.

Não sou mero acaso... Existo desde outrora.
Eu mastigo as tuas mentiras...
E aos poucos eu me torno o sério...
Focalizo sempre a minha visão no futuro.


O que é o teu tempo? 
Um desperdício?


Qual parasita é esse, o parasita do homem?
Qual o senhor dos homens se proclama?

Qual senhor dos homens se coloca em tua frente?
Qual senhor dos homens te engana?

Qual senhor dos homens te promete
Um alívio para essa tua dor?

Eu sou o meu próprio hospedeiro...
Aqui não cabe outra coisa, além de mim.
De resto eu acolho a quem me dá ouvidos.
Pois quem ouve mentaliza o que é preciso.

O meu tempo te mastiga aos poucos...
E nem mesmo o senhor dos homens vencerá o tempo.
O meu dedo apontará o caminho... O caminho de casa.

Nada sou... 
Tudo eu sou...
E o meu tempo
 irá roer os teus ossos.
Pela tua vontade 
Eu nada sou...
Mas por vontade própria, 
Eu sou tudo.

Esbarrarei contigo, nos dois lados da cerca.
Esbarrarei contigo na tua transição...
Farei isso, somente para lhes dizer da tua semeia.
Farei isso para lhes dizer quem você é.

Qual o processo lento? 
Qual a marca inevitável?
Qual selvagem ser que outrora disse:
- Deus da selva eu sou.
Qual é a tua armadilha? 
Quem é o ladrão do homem?

Você disse outrora:
 - Me dê o bem e o mal.
Você disse outrora: 
- Não existe Deus além de mim.

E você disse: 
- Sou o maior de todos.

Ela entregou-se fria, mórbida, sombria...
Lastimosa e temerosa. Ao amor servil...
E criado foi o engenho, ardiloso e festivo...
Ela se fez carne para os lobos do covil.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

CONTRATEMPO




 segunda, 21 de fevereiro de 2011 às 14:46

Que dica você me daria para me motivar?
Até agora o que me motivou foi uma promessa jamais cumprida.
A História se arrasta num erro interminável...
Quantas centenas já passaram por nós, usando sempre as mesmas promessas e argumentos?
O homem tem a estranha capacidade de estar sempre deixando tudo pra depois...
Acreditar que as forças da verdade serão um dia vitoriosas... 
Isso se torna cada vez menos provável.
O que sempre existiu, foi uma promessa humana, uma promessa falha...
Uma promessa de melhoria que nunca se realizou... 
Uma promessa tão esmagadora e cruel, e ao mesmo tempo tão motivadora... 
Cada vez mais os empecilhos se elevam.
Aquele que é destinado a ver os paralelos da perspectiva, geralmente sofre duplamente.
Pois existe o desafio de não permitir que a derrota de sua essência aconteça.
É necessário fortalecer o que é fraco. É necessário decidir o caminho.
 Por muitas vezes nós nos deparamos com a descoberta confusa
De haver na própria essência, uma variedade de habilidades.
O que você realmente deseja para o seu caminho,
É a ciência de se poder atingir a um mesmo objetivo 
Mesmo seguindo pelos caminhos mais contraditórios...
Percursos longos e pequenos...
A trajetória é feita de altos e baixos e de contratempos... Então...
 Que mal há em escolher uma estrada mais alegre e confortável para chegar ao ponto desejado? 
Acaso não existe sabedoria na alegria? 
Uma estrada repleta de sofrimentos impostos...
Uma estrada assim só nos serviria mesmo para a revolta e a perda da fé...
 Um mundo sem fé é um mundo sem lei...
E um mundo sem lei...  Um mundo assim só pode ser mesmo,
Aquele lugar, onde tudo é permitido.
E esse lugar se encontra nas ruas do homem
As ruas do homem são perigosas e malignas.
Todo aquele que aprende a encarar tudo, como algo tão natural na terra...
Todo aquele que aceita, só pode mesmo impingir em sua própria fronte...
Uma marca como aquela que se dá ao gado... 
O homem é treinado desde a adolescência, aprende a aceitar a tudo com naturalidade...
É desde cedo que ele se sente atraído pelas ruas...
Ele assiste as imagens que noticiam as ruas, com os olhos esbugalhados...
Seu costume torna-se problemático, e a sua órbita torna-se viciosa...
É muito fácil esquecer o objetivo... É muito fácil duvidar da verdade, pois ela não acontece...
A verdade é um instrumento...  Ela é capaz de alimentar apenas, a esperança...
 Uma Esperança inútil.
O que nos resta então é contar com a justiça.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Reforçando A Lógica

Todo equilíbrio requer um esforço. Mas para alcançá-lo, é necessário ter uma mentalidade concentrada.

Muitas vezes não somos capazes de alcançar o equilíbrio ideal para nossas vidas. Os problemas sempre nos tiram a concentração. E nós nos obrigamos, sempre a buscar uma solução para os assuntos que consideramos mais precários.

O que é que nos prejudica mais?

Uma falta de controle do nosso destino? Um tipo de dependência da boa vontade alheia?

Nós deveríamos depender de nós mesmos... Mas existem muitos empecilhos... Existem obstáculos e coisas que não nos permitem progredir. Tão pouco alcançar aquele equilíbrio que desejamos.

O homem é tal, como um captador. Ele capta o mundo que o rodeia, através de sua mentalidade. E ao mesmo tempo que ele capta o mundo, para dentro de sua mente, ele procura converter tudo, para se adequar ao seu discernimento. E sendo o homem um captador do mundo, o que fica dentro dele, são as energias externas. Energias drenadas de fora para dentro. A mentalidade do homem muitas vezes se sobrecarrega, pois não há como impedir um fluxo tão contínuo. E o mundo lhe fornece energias diversas.

Um homem espiritualmente concentrado pode tirar proveito das energias que o mundo lhe fornece. Através do seu discernimento ele separa o que lhe é benéfico, e se livra das coisas que lhe são prejudiciais. Dessa forma ele mantém dentro de si, um equilíbrio de relativas proporções. Um homem sem uma concentração, focado apenas, na solução daquilo que a realidade lhe oferece. Este muitas vezes, se deixa ser influenciado pelas energias do mundo.

Fato: Tudo o que é positivo, é positivo para todos. E o que é negativo, para todos também há de ser negativo... Não existem homens positivos, nem negativos. O que existe, são as energias que alimentam a sua mentalidade. Tudo o que o mundo lhe fornece... Tudo o que o homem é capaz de captar para dentro de si, o influencia, ou de uma forma benéfica, ou de forma contrária... E através dos seus sentimentos grande parte das energias fornecidas pelo mundo, se extravasam.

Em resumo, tudo o que o homem recebe do mundo que o rodeia, acaba por influenciá-lo de alguma forma.

O que pode levar o homem a caminhar para o erro?

O que pode conduzir o homem para o erro é influência recebida. Ou alguma motivação extrema oferecida pela própria insensatez... Um desespero. São muitas as causas... Muitos são os erros. Difícil mesmo é cogitá-los. Mas, assim como existe o erro, existe também, o aprendizado dele. Um homem influenciado para o erro, muitas vezes não vê o erro como tal. Pois ele foi influenciado e motivado para o erro. Mas o erro simplesmente recebe esse nome, pelo fato de que, com o passar do tempo, haverá querendo ou não, uma evolução no discernimento. Pois a mentalidade do homem não fica estagnada. Uma vez que se encontra uma mudança de influência, o erro se torna notável. A unica forma de impedir as influências motivadoras do erro, é garantido influências contrárias do erro considerado.

Para os Cientistas, o erro é um demônio cruel. Pois a ciência sempre busca pelo acerto da lógica. Qualquer noção de erro pode significar uma década de buscas e preocupações. Então é certo dizer, que não existe na terra, sequer uma criatura que carregue dentro de si, o desejo estúpido de errar. E esse medo de errar, é uma motivação a mais... Uma motivação que nos permite evoluir. Quer seja, em nossas mentalidades, ou até mesmo, no que diz respeito aos nossos sentimentos.